quarta-feira, 2 de setembro de 2015

A escola que nos rouba o sono
Há coisas que mesmo estando erradas estão tão introjectadas em nosso dia-a-dia que nem paramos para questionar. Mesmo assim, não deixam de estar erradas. É o caso do horário de início das aulas na maioria das escolas do Brasil. Sete horas é muito cedo e faz com que estudantes e professores tenham de se levantar de madrugada. Dependendo do percurso até a escola, há alunos que estão de pé antes das 4h. Isso é uma forma de violência principalmente aos adolescentes.
O curioso é que é a própria escola que defende a necessidade de pelo menos 8h de sono para que o conhecimento possa ser retido. Claro, que se que formos inquerir a escola, ela nos responderá: "basta que professores e alunos vão para a cama às 21, 22h..." Ok, mas sejamos realistas, quantos estudantes e professores podem se dar ao luxo de ir para a cama nesse horário? E as atividades extra-classe e as aulas para preparar, os exercícios para corrigir? Isso sem falar que sejam estudantes ou professores, as pessoas costumam também ter tarefas domésticas, ir ao médico, ao dentista, ao banco e, mesmo que a escola torça o nariz, ver TV, bater papo com os amigos pelo whatsApp, ver filmes, ler livros...
Não, não é possível dormir às 9 da noite em um país onde a temperatura na maior parte do ano chega fácil à sensação térmica de 40 graus e traz consigo pernilongos, quando não dengue. Nos Estados Unidos, onde a temperatura costuma ser civilizada o ano todo e pernilongos jamais recebem visto de permanência, ganha força um movimento pelo fim das aulas com início antes das 8h30. Uma mãe chegou a mover uma ação contra a escola dos filhos e venceu. Agora, escolas em todo o país estudam formas de respeitar o sono alheio.
No Brasil, há um estudo recente de um pesquisador da Universidade Tecnológica do Paraná que também condena o horário tradicional de início das aulas no país. Então, se há estudos, se há exemplos e se qualquer um pode ver por si a quantidade de walking dead que lota as as salas de aula das escolas brasileiras, por que não se vê no Brasil um movimento organizado contra as escolas que nos usurpam o sagrado direito ao sono? São vários os motivos.
O principal deles é que no Brasil é muito forte a crença de que saltar cedo da cama é sinal de disposição ao trabalho, caráter e até honestidade. Quem nunca foi chamado de vagabundo por querer ficar mais um pouco na cama? E quem nunca ouviu que "Deus ajuda quem cedo madruga"? A origem do mito muito provavelmente está no período escravocrata. Apesar do desprezo ao trabalho braçal, a elite colonial sempre admirou o "pegar cedo no batente". Principalmente quando alguém fazia isso por ela.
Ou seja, um movimento por aulas iniciando mais tarde teria forte resistência de mães e de professores. Aliás, professores costumam acreditar muto em lendas. Até hoje creem que decorar é um recurso didático imprescindível, quando originalmente era apenas uma contingência medieval, já que não havia como o aluno anotar nada à época. Além disso, muitas escolas funcionam também como creches. Aulas às sete dão tempo para que os pais deixem as crianças na escola e ainda cheguem ao seu trabalho que, normalmente, vai começar após as 8h.
Outro problema é a quantidade absurda de disciplinas e de aulas da mesma disciplina que as escolas costumam ter no Brasil. Excesso de aulas de português, matemática e física e outras matérias que muitas vezes só ocupam tempo dos alunos. Para as aulas começarem mais tarde, seria necessário rever a grade curricular. Mas mexer nisso seria botar a mãe em um enorme vespeiro, pois a maioria das escolas paga aos professores por quantidade de aulas dadas e a redução implicaria também diminuição salarial.
Como se vê, nenhum argumento em favor do início das aulas às 7 da manhã é baseado na qualidade de ensino. Mesmo porque, de qualidade, o ensino do Brasil tem muito pouco. Nesse contexto, permitir que o estudante durma - em casa, já que ele já faz isso na carteira - talvez até melhore a qualidade e ensino. Pior não fica. Já no modelo atual fica bem pior sim. Espere o horário de verão...